Quando a paixão não basta

Muitas vezes sou abordada por pessoas, assim como eu, apaixonadas por fotografia. Quando nas conversas surge um “sou apaixonado por fotografia e faço fotos bacanas… já posso ser profissional?” eu chamo pra tomar um café (por isso que essa coluna se chama Café e Bate Papo 😉 ), se possível, e trocar umas ideias.

É comum, ao adquirir a primeira câmera robusta que troque lentes, vir aquela empolgação e a gente já querer ter a fotografia como profissão (porque fotografia é apaixonante mesmo!), fazer um monte de cartões de visita e montar um site. Sei como é… Isso aconteceu comigo! Mas resolvi deixar essa onda da empolgação inicial passar e seguir com calma, pois não é tão simples assim. E hoje olho pra trás e acho que foi a melhor coisa que fiz. Ir com calma!

Existe uma distância a percorrer quando se pretende ser fotógrafo profissional. Ter a fotografia como profissão significa, além de ter um trabalho sólido e de bom gosto, ter que gerenciar um negócio como outro qualquer e isso envolve lidar com clientes e fornecedores, prazos a cumprir, planejamento financeiro, definição de valores (ponto delicado que podemos abordar em outro momento se for do interesse de vocês)… e assim vai.

Quando prestamos um serviço, devemos fazê-lo com a responsabilidade que a ocasião requer. E não se enganem… trabalhamos muito! No caso da fotografia, passamos muitas horas antes pesquisando referências, criando, planejando a sessão de fotos e muitas horas depois editando as imagens, diagramando álbuns, enviando provas para os clientes, layouts para gráficas e encadernadoras, atualizando sites e blogs.  Quando não fazemos isso e optamos por terceirizar, temos que supervisionar cada etapa para garantir um bom resultado. Não é só diversão.

Além de responsabilidade, devemos ter ética! Postura ética perante clientes e perante colegas de trabalho é o mínimo que devemos esperar de qualquer profissional. Precisa praticar? Quer saber se gosta de uma determinada área ou se “dá conta” de fazer determinado serviço? Perfeito! Procure uma maneira de praticar sem fazer clientes de cobaia.

Temos também que estar sempre conectados com o mundo, antenados com o que há de novidade, ligados nas redes sociais. E isso exige disciplina. Muita disciplina! Ainda temos que estar sempre em crescimento, melhorando nosso trabalho, nos capacitando, fazendo cursos, oficinas, workshops e lendo muito. Investimento.

Esses são apenas alguns dos aspectos a se considerar quando resolvemos fazer da nossa paixão a nossa profissão. E, pra mim, um dos desafios é conciliar tudo isso sem deixar a paixão acabar. Amar o que faz! É possível fotografar com amor e profissionalismo sim.

Essas palavras não são para desanimar quem está começando… Muito pelo contrário! Apenas levanto alguns pontos para reflexão para que vocês que pretendem se profissionalizar comecem suas carreiras com mais consistência. Isso é bom para o profissional e para seus clientes, que construirão uma relação baseada não somente em talento ou mera prestação de serviço, mas também em ética e respeito.

E pro post não ficar só com palavras, resolvi trazer umas fotinhas do meu Instagram, que representam alguns dos meus amores.

Qualquer dia desses, se vocês tiverem interesse (pra isso basta me dizer por comentário ou mandar uma mensagem por email ou facebook), posso contar um pouco mais sobre como foi minha jornada até me ver como fotógrafa e assinar o primeiro trabalho como tal.

PS: Essa semana saiu uma matéria numa revista (daquelas de sinopse de novela) dizendo que é possível virar fotógrafa em um dia e ganhar 4 mil reais por mês logo de cara. Depois dessa resenha toda, o que vocês acham que eu penso a respeito disso?



8 respostas para “Quando a paixão não basta”

  1. Rafaela Zakarewicz via Facebook disse:

    Matou a pau fofinha!

  2. Ah, eu quero saber mais sobre como foi a sua jornada!! :-)

  3. Rafaela Zakarewicz, fico tão feliz que tenha gostado!!! Vou começar a esboçar mais textos assim e dar mais vazão à minha intuição. 😉

  4. Fabi Ribeiro, vou contar tudo então num post futuro, ok? Já tem outras pessoas entrando em contato também por email e por mensagem. Que bom que leu o texto do blog. Você gostou? beijo

  5. Virgínia disse:

    Oi Ana Paula, conheci seu trabalho a pouco tempo e já o acompanho através do blog e do face… Ótima sua abordagem sobre o assunto, clara, simples, verdadeira e sem preconceito… Precisamos de blogueiras assim que tem amor pelo que faz e bom senso no que escreve.
    Sou uma apaixonada por fotografia desde sempre, mas só há um ano atrás resolvi estudar fotografia de maneira mais séria e com o compromisso de um dia virar profissional. Tenho estudado muito e isso inclui (leitura de bons livros, cursos, visita em sites especializados, visitas em blogs inclusive internacionais…) Enfim, não tenho pressa em me profissionalizar, acho que o bom de tomar decisões após os 30 e com uma vida profissional equilibrada é que a gente não vai com muita sede ao pote…
    Espero ver novos post sobre esse assunto aqui no seu blog.
    Bjs
    Vi

  6. Juliana Alves disse:

    Ana Paula, acabei de descobrir seu site com um fotógrafo num Grupo de Fotografia no facebook. Sou fotógrafa profissional há mais ou menos 1 ano (antes disso fotografava por hobby, não tinha cursos, nem nada..). E o que dizer sobre as emoções que senti ao ver seu site? impossível.. não tenho palavras. Cai de paraquedas nos relatos do parto em casa, rs.. e embora não tenha filhos, acredito que seja o maior sonho da minha vida.. dar luz a um filhotinho! rs Estou com os olhos marejados.. grande parte pelo texto (tanto da mãe, quanto o seu), mas o que fica é sempre, sempre o registro. As palavras se perdem, e as emoções, com a idade, vão se confundindo .. muitas vezes esquecemos detalhes que achamos que NUNCA iremos esquecer.. mas o registro, fixa, é só a gente olhar e tudo vem na mente em segundos.. parabéns! Conheci seu trabalho hoje, e já te admiro.. já está na minha lista de “profissionais a quem devo seguir” – e seguir não significa imitar, viu? Mas tenho vocês como referência, para aprender sempre. Obrigada por me emocionar! Espero que a gente um dia se esbarre pra “trocar figurinhas”! Beijo grande e sucesso sempre!

  7. ELIZABETH MARIA disse:

    Menina, adorei seus textos…
    Quero convida-la para um café e bate papo sobre fotografia. Eu explico:.
    Trabalho com um grupo de idosos e este semestre vamos realizar um projeto que tem o nome de ‘Pela luz dos olhos seus” , cujo objetivo é usar a “fotografia” como instrumento de socialização, resgate da auto estima, registros culturais, etc.Depois exposição dos trabalhos.
    No projeto consta uma oficina com um fotografo, uma hora e meia de bate papo…Juro que não queremos virar fotógrafos em um dia!!
    Acredito que exista uma grande potencial neste projeto, olhe com carinho e me procure para conversarmos melhor sobre o assunto.
    Cordialmente,

    Elizabeth Maria Ferreira
    Assistente Social
    C.A. Sesc Gama

  8. Ingrid disse:

    Oi Ana Paula! Amei seu texto! Estou iniciando na fotografia e espero me tornar uma grande profissional um dia, e suas sábias palavras me caíram muito bem!
    Ah! Gostaria muito que você falasse sobre a definição de valores e sobre toda sua jornada!!!!

    Parabéns pelo trabalho!!!!

Deixe uma resposta