Quando a Rainha do Mar chama… {nascimento do Lorenzo}

Era sábado à noite quando uma mensagem avisava início de trabalho de parto. Eu imaginava que seria naquele fim de semana e já tinha deixado tudo organizado. Última verificada no equipamento, carga e olho no celular, esperando novidades. A partir dali, meu contato era só com Joana, a doula, que já tinha me avisado que o trabalho de parto avançava lentamente e que, provavelmente iria demorar. Ela me avisaria quando fosse pra eu ir. Fiquei, então, aguardando ser chamada, na hora que o casal achasse adequado.

Acordei algumas vezes no meio da madrugada, pra ver se havia alguma mensagem ou ligação no telefone. Nada ainda. Tentava descansar e pensar no casal e naquele bebê que estava prestes a chegar, mandando boas energias, desejando paz e serenidade para a família. De manhã, Joana me chamou. Disse que eu poderia ir.

Quando cheguei, Marcela e Léo estavam embaixo do prédio, fazendo uma caminhada, tomando um solzinho. Em casa estavam Paloma, a parteira, e Joana abrindo as janelas, arejando a casa, renovando as energias. Disseram que foi bom eu ter chegado com energia nova.

As contrações eram desejadas e comemoradas. Apesar de muito doloridas, Marcela sabia o quanto elas eram necessárias para que seu bebê chegasse. E atravessava a dor com muita tranquilidade. Ela dançava, agachava, sentava na bola, procurava posições que amenizassem a dor. Paloma e Joana se revezavam nas massagens, com suas mãos de anjo. Música suave e o cheirinho de incenso deixavam o ambiente ainda mais acolhedor. Tudo chamava pelo pequeno Lorenzo.

No plano de parto distribuído a todos os profissionais envolvidos, inclusive eu, Marcela deixou expresso que não queria se sentir observada, o que tornava a minha missão um verdadeiro desafio. O fotógrafo de parto tem que ser muito cauteloso, discreto e, sobretudo, ter sensibilidade para saber a hora de entrar e a hora de sair. Eu transitava pela casa de maneira quase que invisível e ficava atenta a qualquer sinal de que pudesse estar atrapalhando. Acredito que isso não aconteceu. Eu só ficava em um lugar quando sentia que tacitamente minha presença era permitida naquele momento.

Assim seguimos o dia. Aguardando o tempo do Lorenzo. Esperando e respeitando o tempo de sua mãe. Dando apoio e aconchego para amenizar as dores. Mostrando que estávamos ali, com eles. As contrações eram espaçadas e perdiam seu ritmo. A parteira, juntamente com o médico backup com quem mantinha contato, e com o consentimento do casal, decidiu pela transferência para o hospital.

Depois de avaliação do médico e de discutirem as possibilidades por um tempo, o casal concordou com a cesárea. Perguntei pra Marcela se ela gostaria que eu a acompanhasse e ela disse “Claro, Ana! Você está contando a nossa história!”. Me preparei para ver a carinha do Lorenzo que, como exceção das minhas estatísticas, nasceu com a cara da mãe.

Muitas vezes, a vida nos coloca diante de situações que fogem do nosso controle ou planejamento. Temos que estar abertos e flexíveis para aceitar os novos caminhos. Marcela se preparou muito para o tão sonhado parto domiciliar, mas a vida a desviou dos seus planos. Contudo, Lorenzo nasceu no seu dia, quando estava pronto. No dia de Iemanjá. Um filho da Rainha do Mar.

O fato de Marcela não gostar de ser fotografada e não querer se sentir observada, fez desse trabalho um dos mais desafiadores pra mim. Tive que ter sensibilidade redobrada, além de estar sempre atenta a qualquer sinal de que ela estivesse incomodada com minha presença. Em nenhum momento senti que estava atrapalhando. Quando entreguei as fotos, o retorno que ela me deu foi extremamente gratificante, especialmente diante de tamanho desafio. Entre várias outras coisas, me agradeceu por eu estar com eles, contando sua história. E que, por meio das fotos, percebeu o quanto foi forte e lutou até o fim para que seu bebê viesse a esse mundo de forma respeitosa.

Cada vez mais, eu percebo o quanto essa missão de fotografar partos é delicada e especial. Exige de mim uma série de características, atitudes, valores e conhecimento. Por isso, tenho em meu coração um cantinho para guardar cada parto, com muito carinho.

Lorenzo, hoje você completa seu primeiro ano de vida. Como o tempo passou rápido! Saiba que você tem pais maravilhosos. Sua mãe é doce, meiga e ao mesmo tempo muito forte e determinada. Uma verdadeira leoa que está sempre pronta pra te proteger. Seu pai, do jeito que é companheirão da sua mãe, tenho certeza que também é um pai babão, super apaixonado por você. Você é um menino de sorte! Feliz aniversário, pequeno!



5 respostas para “Quando a Rainha do Mar chama… {nascimento do Lorenzo}”

  1. marina santos disse:

    Ai, Ana, que história linda!

    Me emocionou do começo ao fim! <3

  2. Que lindo, Ana!
    Um desafio e tanto, mas que vc é capaz de enfrentar. Uma pessoa tão elegante e gentil como você saberia ser invisível nesse momento, como tem que ser.
    Eu ainda quero muito fotografar um parto. deve ser mágico!
    beijo

  3. Marcela Buralli Costa Reis querida, hoje a família está em festa! É um dia especial e não sai do meu coração e da minha lembrança. Dê um cheiro nesse pequeno que está cada dia mais lindo. <3

  4. Emocionante Marcela, a fotógrafa conseguiu registrar perfeitamente a magia que é esse momento.

Deixe uma resposta