Sua chegada {parto domiciliar}

Uma mistura de sentimentos me tomou quando a Dani entrou em contato comigo, querendo que eu fotografasse seu parto. Quando a cliente é fotógrafa também, e da mesma área que a nossa, dá no início um frio na barriga danado, mas depois me sinto muito honrada por ter sido escolhida por alguém que entende de fotografia de parto. Além da parte técnica, ela conhece bastante todos os desafios envolvidos nesse tipo de serviço.

Depois de duas mocinhas, a família esperava um rapazinho, o Lorenzo. A Dani já tinha passado por uma cesárea e por um parto normal hospitalar e, dessa vez, desejava um parto domiciliar. Como o último parto havia sido rápido, a expectativa é que esse terceiro seria mais rápido ainda. Quando tenho um contrato de parto, minha disponibilidade começa em 38 semanas de gestação e envolve uma série de cuidados que devo tomar para que a probabilidade de não chegar a tempo de fotografar o nascimento seja reduzida. O equipamento, inclusive para fazer o filme, já estava a postos. Plano B para deixar minha filha na escola teve que ser acionado, pois quando estava de saída vi uma mensagem da Dani dizendo que a bolsa tinha rompido. Fui para a casa dela o mais rápido que pude. Cheguei logo depois da doula e a parteira não havia chegado ainda.

Se partos longos são desafiadores, partos rápidos também são. Assim que cheguei, montei uma câmera no tripé para filmar o expulsivo enquanto fotografaria com outra. Comecei a fotografar a Dani sentindo contrações, sua doula e marido fazendo massagem para aliviar as dores que estavam cada vez mais fortes. Quando as contrações passavam, ela conversava com a gente normalmente, nem parecendo que estava tão perto de parir. Ela quis ir ao banheiro e de lá nos gritou que estava com vontade de fazer força. Mal deu tempo de entrar na banheira, que já estava cheia, e Lorenzo chegou. Tranquilo, em seu tempo, com três circulares de cordão. Sua mãe, com uma consciência corporal incrível, foi sentindo a passagem de seu bebê, o pegou, retirou as circulares do cordão com a ajuda da doula e o trouxe para seus braços. Foi tudo tão rápido que nem tive tempo de colocar a câmera que estava montada no tripé no banheiro. Se tivesse saído do banheiro para busca-la, teria perdido o momento do nascimento. Tive que me virar com a que estava em minha mão para fotografar e filmar!

A mãe da Dani que tinha ido à padaria para comprar um sorvete tomou um susto quando chegou e viu que seu netinho já tinha nascido. A parteira também chegou depois, encontrando o bebezinho nos braços de sua mãe.

Como foi especial ver a Dani tão empoderada dando a luz a seu bebê, o segurando no momento do nascimento! Voltei pra casa não só com uma história gravada nos cartões de memória, mas também gravada aqui dentro de mim, acompanhada por uma admiração imensa por essa mulher linda que é a Dani.

parto-01

parto-02 parto-03 parto-04 parto-05 parto-06 parto-07 parto-08 parto-09 parto-10 parto-11 parto-12 parto-13 parto-14 parto-15 parto-16 parto-17 parto-18

Essa história também tem filme! 🙂

Equipe de assistência ao nascimento do Lorenzo:

Doula: Érica de Paula

Enfermeira obstetra: Melissa Martinelli (Humaniza Espaço gestante, pós parto e bebê)

 

***

Se você gosta de filmes de parto ou de filmes de família, visite meu canal no Vimeo.

Alguns dos filmes que fiz tiveram publicação autorizada pelas famílias.

Seja bem vindo por lá também!

😉

 

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *