Trilhando novos caminhos {esperando por Helena}

Quando comecei a me interessar por fotografia, fotografava pessoas conhecidas, amigos, familiares. Existem exceções, mas normalmente tudo flui mais fácil quando conhecemos as pessoas que estamos fotografando. Com o tempo e a transição da fotografia por hobby pra fotografia profissional uma questão permeava minhas preocupações… Será que eu conseguiria fotografar e contar a história de pessoas que não conhecia, atendendo suas expectativas?

Com o tempo, vamos não só adquirindo experiência na técnica, mas também na interação com as pessoas. Além disso, vamos firmando nosso estilo. O que queremos e o que não queremos. Estilo de fotografar, estilo de editar e forma mesmo de ver o mundo. O que eu sou interfere diretamente no meu trabalho. Não tem como dissociar… E pra mim, uma das maiores conquistas hoje como fotógrafa profissional é ver que meus clientes se identificam com meu trabalho. Eles perceberem em minhas fotografias um estilo que é o que eles querem pro registro de suas histórias se traduz em sentimento bom de conquista. No fim das contas, quando a gente se conhece pessoalmente percebo que temos muitas coisas em comum, que vemos o mundo de um jeito parecido e que temos valores parecidos também. Assim, por meio de minhas fotografias, tenho conquistado clientes de certa forma parecidos comigo. Algumas pessoas podem até pensar que é narcisismo da minha parte, mas eu acho que isso se chama afinidade! E quando a afinidade é da alma, o trabalho flui de um jeito gostoso e os laços permanecem.

Com a Ester e o Saulo foi assim. Afinidade desde o primeiro telefonema. Afinidade de alma mesmo! Marcamos de tomar um sorvete pra gente se conhecer e conversar sobre o trabalho, pra que eu entendesse o que eles queriam e dar minhas sugestões. A conversa foi tão gostosa que até esquecemos do sorvete. E isso é muito inspirador! Fui pra casa cheia de ideias, com a leveza e a alegria de que um trabalho incrível estava por vir. E pra mim o que define um trabalho como incrível vai além do que a gente vê. Tem muito mais a ver com o que a gente sente.

Decidimos ir a um parque com cachoeira, a mais de 100 quilômetros de distância de Brasília. E decidimos isso não por ser um local bonito, mas sim porque fazia parte da história e do estilo de vida deles. Era essa recordação que eles queriam ter da transição de fases que estava por vir.

Quando entrei no carro, tive noção da dose de amor que estamparia nossas fotos. Ester e Saulo se entregaram de corpo e alma na sessão e demonstraram pra mim toda a confiança em meu trabalho e um carinho imenso comigo.  Parecíamos amigos de longa data. O dia passou cheio de fotos, risadas e histórias. E tudo era motivo pra gente se divertir, inclusive a cor do esmalte da Ester. A luz difícil, a quantidade de pessoas passando de um lado pra outro, a mocinha de verde que insistia em ficar no fundo das fotos, nada disso tirou a leveza daquele dia tão gostoso.

O amor entre eles dois, a admiração do Saulo por sua mulher, a facilidade do sorriso da Ester e o jeitinho lindo que eles têm de fazer carinho um no outro com o olhar são realmente inspiradores! E assim se passou um dia inteiro. Tão gostoso quanto fotografá-los foi ouvir deles no fim da sessão que eles ficaram tão à vontade que nem parecia uma sessão de fotos.

No fim de tudo isso, ainda me levaram pra almoçar no meu restaurante favorito… Como não amar vocês, hein?

Helena, seus pais são muito divertidos e iluminados. Apaixonados um pelo outro! E desse amor tão grande veio você, pequena. Seja bem vinda a esse mundo!



5 respostas para “Trilhando novos caminhos {esperando por Helena}”

  1. Virgínia disse:

    Que fotos maravilhosas Ana.
    De extremo bom gosto e de uma simplicidade… Assim como é o amor!
    Bjs
    Vi

  2. Camila disse:

    Ana, sou fotógrafa tb e adoro seu trabalho. Parabéns!! Dom de Deus!

  3. Ana, parabéns, as fotos estão lindas!

  4. Meninas olhem que lindooo Laís Weslei Renata Ribeiro Fernando Rodrigues Bia Pires Flori Roberta Mariano Patrícia Vieira Bianca Asnar Rafael Vieira

Deixe uma resposta